1.7.11

O homem do FMI: uma história mal contada


Você é um dos homens mais poderosos do mundo. Da sua palavra dependem negócios de bilhões de dólares e o destino das nações. Você está hospedado num hotel de luxo em Nova York, num quartinho de três mil dólares de diária, como convém à sua exaltada posição social; vai pegar um vôo para casa logo mais, acabou de tomar banho e ainda está nu como veio ao mundo, quando eis que adentra o seu quarto uma jovem camareira. Você:

a) Diz “Pardon, Mademoiselle!”, e volta para o banheiro para pegar uma toalha, enquanto a moça se retira rapidamente;

b) Dá um berro de susto ao descobrir alguém num quarto que deveria estar vazio;

c) Dá uma bronca na camareira por entrar sem avisar;

d) Confunde a camareira com a garota de programa que convidou para uma visitinha;

e) Atira-se sobre a camareira, sem mais nem menos, e tenta estuprá-la.

Para mim, de todas as hipóteses, a última é a que parece menos provável. Estou de acordo com a maioria dos franceses. Também acho que o diretor do FMI está sendo vítima de uma conspiração. Qualquer pessoa com um mínimo de conhecimento dos costumes norte-americanos sabe que mesmo a cantada mais inocente pode, nos Estados Unidos, ser tomada por assédio sexual; como é que um homem experiente vai arriscar a carreira por uma tentativa de estupro tãogauche? Um homem desarmado -- qualquer homem desarmado -- tentaria começar um estupro exigindo sexo oral? Numa boca cheia de dentes?! Sei que o mundo tem de tudo, mas curtir essa forma específica de prazer me parece perigosa além da conta.

Pela Teoria Conspiratória, há vários outros pontos por explicar. Os hotéis acima de uma estrela têm trancas e, do lado interno das portas, pequenos lembretes para que ninguém deixe de utilizá-las. Trancar a porta é, pois, segunda natureza de quem freqüenta hotel. Em muitos deles, também, a forma de acender as luzes e de “ligar” o quarto é enfiando a chave num aparelhinho junto ao interruptor. Com isso, ninguém precisa mais pendurar plaquinha de “Silêncio!” do lado de fora. Supondo, porém, que nesta suíte de três mil verdinhas não existam dispositivos que informem aos funcionários que os hóspedes estão no quarto, e que o nosso antiherói tenha esquecido de pendurar a tal plaquinha -- como é que uma moça de 32 anos, em plena forma, se deixaria pegar por um sujeito de 62?  E mais: um francês tomaria banho antes de embarcar de volta para casa?!

* * *



O caso Strauss-Kahn é sem dúvida uma tragédia para os envolvidos, especialmente para o indigitado senhor Strauss-Khan, mas tem tal quantidade de elementos de farsa que parece encomendado para distrair a atenção dos leitores das notícias terríveis do cotidiano: um protagonista não muito simpático, uma pobre moça imigrante, uma situação sexual abominável que termina numa reviravolta inesperada. Ou muito me engano, ou ainda vira livro e filme, se é que já não está virando em algum lugar; a moça, se quiser e se tiver um mínimo de predicados (que há de ter, considerando-se a tresloucada ação que suscitou), vira capa da Playboy, com carimbo para o mundo rarefeito das celebridades.


* * *



Pelo lado sério, porém, há que se reconhecer um ponto inquestionável: se tudo ocorreu como alega a acusação, é um progresso sensacional ver um poderoso atrás das grades por atacar uma moça humilde. Há alguns anos – e mesmo hoje, em muitos cantos do planeta – ela seria demitida por criar caso para o doutor, que ainda iria embora do hotel com um pedido de desculpas da direção.


O mundo progride, apesar de tudo.


(Publicada em 22.5.2011, e republicada agora, só para constar)

14 comentários:

Marise disse...

Concordo totalmente. Eu estava na Inglaterra quando o escândalo estourou e discuti várias vezes com minha irmã, porque achava tudo estranho. Pelo jeito ainda sai mais coisa daí

Turquezza disse...

Sinistro demais. Só saberemos a verdade daqui uns 50 anos, é assim que funciona ...

laura r. disse...

Como sempre,você mandou muito bem!!!!!!

Tecedora disse...

Quando li sobre os novos desdobramentos do caso, lembrei logo da sua crônica. :-)

Layla disse...

Concordo com a laura r!

Fernanda Lacombe disse...

Por isso, eu, como advogada, muitas vezes fico indignada com as "conclusões" e os "veredictos" que a mídia impõe em diversos casos. Em certas situações, o sujeito está ainda sendo investigado, ou nem isso, mas a opinião pública já o condenou.
Direito de resposta nenhum apaga o que se escreve no dia anterior!!!

Anônimo disse...

Como sempre, Cora, Falou e disse.

Carla H. G.

Carlos Emerson Junior disse...

Fico só imaginando se essa história tivesse acontecido aqui no Brasil, com uma personalidade política brasileira, qualquer uma.

Não ia dar em nada...

Cássia disse...

Cejunior, ele seria celebrado pela confraria dos machões! ;)

Cora, falou e disse! Ô imbróglio que não para! O francês precisa ser liberado, pra se candidatar lá no país dele. Ô imbróglio que não cessa!

valeriaterena disse...

Assino embaixo do que a Fernanda Lacombe disse. Sempre me lembro do que uma professora de Prática de Processo Penal disse em classe uma vez, comentando o caso da mídia naquele momento: Nunca dou opnião com base em jornais, pois eles sempre são pró-vítima e nem sempre sabem de todos os detalhes de um inquérito ou processo; muitas vezes não tem uma consultoria que os esclareça sobre nulidades, etc.
Como sempre a Vera tinha razão.

DJ LEO CARIOCA disse...

Eu já havia concordado da primeira vez. Agora só concordo novamente =)

Boa Ideia disse...

Eu tenho uma pergunta, até agora sem resposta: como o sêmen de DSK foi parar na roupa da camareira?

valeriaterena disse...

Boa Idéia, nada que uma camisinha usada e jogada no lixo não resolva; resíduo fácil de ser obtido por uma camareira de hotel.

Cora disse...

Ele reconheceu que manteve relações com ela; mas consentidas.